14 novembro, 2016

PRENHE SELENE


Já que é dia/noite de falar da lua, aí vai um poemeu cujo cometimento iniciou-se durante um luau na Praia Mole e completou-se em Sambaqui, de há muito. Desejo que gostem.
{8¬)


prenhe selene


fito a imensidão
infinita porque me escapa até onde
estar finito?, como algo pode?
passam nuvens pela
     lua
lua
   pelas estrelas
      estrelas pelo céu
p                                               assam

o tempo
a passar
p      assa
p      a      s       sa
p      a      s       s       a
passa?

eu passo
inteiro
integrado
unha e carne nu dedo
  o dedo da criação
durante
enquanto
estou
    amo
 s.


praia mole/sambaqui, 26/05/02

2 comentários:

Magra Cidológica disse...

LindO!
Oh Lua cheia de graça... me lembrei do Juninho e o Negão em Caldas/MG.

Shasça disse...

Grandes irmãos!